Flávio Dino e de Marcelo Freixo: PSB se fortalece no campo da esquerda 

PUBLICIDADE

A chegada do deputado federal Marcelo Freixo, que era do PSOL, e do governador do Maranhão, Flávio Dino, ao PSB, foi o início de um fortalecimento do partido no campo da esquerda com vistas a 2022. O partido tentou por duas ocasiões o Palácio do Planalto, a primeira vez com Anthony Garotinho em 1998, e a segunda com Eduardo Campos e Marina Silva. Nas duas ocasiões os socialistas não lograram êxito, porém demarcaram espaço e evidenciaram que há vida fora da hegemonia do PT na esquerda brasileira.

Apesar de provavelmente garantir o apoio ao ex-presidente Lula em 2022, este movimento faz do PSB um ator estratégico na esquerda, tendo dois governadores importantes, Dino e Paulo Câmara, podendo inclusive compor a chapa presidencial com um destes nomes. A saída de Freixo do PSOL e de Dino do PCdoB também aponta a dificuldade de os dois partidos suplantarem a cláusula de barreira, mas não é só isso, a federação, considerada salvação dos nanicos, pode até prosperar como lei, mas sua execução não será das mais fáceis, devido às peculiaridades de cada estado.

Diante disto, é fundamental ter um partido de esquerda que seja forte, orgânico e que aponte caminhos fora dos extremos no país, e por isso o PSB surge estrategicamente como opção para estes e outros atores que estão avançando para oficializar sua filiação ao partido tanto nos próximos meses deste ano quanto na abertura da janela partidária em março.

A filiação de Flávio Dino e de Marcelo Freixo ocorre nesta terça-feira na capital federal e deverá contar com a presença de diversas lideranças socialistas nacionais, consolidando a força do PSB no campo das esquerda.

Do Blog do Edmar Lyra

PUBLICIDADE

Comentários