Bares e restaurantes reabrem a partir desta segunda-feira, 03, em Caruaru

PUBLICIDADE

Após mais de 4 meses fechados por conta da Pandemia da Covid-19, bares e restaurantes reabrem suas portas a partir desta segunda-feira, 03, seguindo todo um protocolo de segurança e higienização desta nova etapa de convivência com o novo Coronavírus.

Donos dos estabelecimentos têm que se adequar  a uma nova realidade ou um novo normal, para funcionamento com toda precaução e prevenção contra a Covid-19. De acordo com Alex Clementino, proprietário de um dos bares mais tradicionais de Caruaru, o famoso ‘Caldinho do Zequinha’, tudo que foi exigido para este recomeço das atividades, foi cumprido. ” Agora é esperar que os resultados sejam positivos para recuperar o fator econômico, pelo prejuízo causado durante o tempo de quarentena”, apontou Alex.

Quem também está comemorando a volta, é o empresário Arnaldo Filho, proprietário do ‘Boteco Rio Branco’. ” O prejuízo foi enorme, mas, agora temos que erguer a cabeça e recomeçar dentro de novos padrões de funcionamento. Nunca imaginei em toda minha vida, passarmos por um momento de tanta dificuldade. Tivemos que inovar nosso serviço durante a quarentena e ter muita sabedoria e fé para suportar os efeitos negativos causados pela Covid-19″, comemorou .

Abrasel-PE

O presidente da Associação Brasileira dos Bares e Restaurantes – Abrasel-PE, André Araújo, vai estar amanhã (segunda) em Caruaru onde participa de uma série de reuniões com empresários do setor e representantes da prefeitura.

Vai avaliar o momento de retomada do setor de bares e restaurantes e mostrar as ações da Abrasel de qualificação profissional no modelo EAD (Ensino A Distância) em parceria com o Sebrae neste momento em que o Agreste avança para a 6ª fase do Plano de Convivência com a Covid-19.

O setor foi um dos que mais sofreu impacto por conta da pandemia. Milhares de empregos foram perdidos e muitos negócios não aguentaram o longo período fechados e simplesmente não abrirão mais suas portas mesmo com a liberação.

André Araújo avalia com ressalvas a retomada da cadeia na região. “A flexibilização nos traz um pouco de alívio, depois de um período longo em que só tínhamos autorização para delivery e drive thru. Além disso, temos uma grande integração com outros setores e uma ampliação das nossas operações gera um efeito em cadeia na economia”, ressalta. O horário de funcionamento determinado pelo governo – 6h às 20h – traz, entretanto, preocupação para o presidente da Associação. “Isto está decretando a falência de muitos estabelecimentos no Grande Recife. Nosso temor é que isso se repita no Agreste”, aponta. André defende que, segundo pesquisa nacional das operadoras de cartão de crédito, o horário de pico das vendas do setor é 20h às 22h. A ampliação do limite atual, para as 22h, tem sido negociada com o Governo de Pernambuco, mas sem sucesso até o momento.

PUBLICIDADE

Comentários