Plano de Reabertura gradual das atividades econômicas em Pernambuco

O Governo de Pernambuco começa a pôr em prática o “Plano de Monitoramento e Convivência com a Covid-19”, que determina a retomada gradual e planejada das atividades econômicas em todo o Estado.

O cronograma prevê como 32 setores terão as medidas restritivas flexibilizadas e como será a carga operacional deste retorno, que seguirá protocolos gerais e específicos para evitar a transmissão da doença.  O ciclo de reabertura gradativa chegará à flexibilização total ao fim de um período de 11 semanas. O calendário, por sua vez, pode ser antecipado ou prorrogado, dependendo do comportamento da curva de contaminação.

Os detalhes do plano foram apresentados pelos secretários de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, e de Planejamento, Alexandre Rebêlo, em entrevista à imprensa realizada remotamente no Palácio do Campo das Princesas. Ficou claro, na entrevista, que a flexibilização escalonada ocorrerá gradativamente até o Estado chegar ao que se entende por “normalidade controlada”.

Serão considerados, prioritariamente, a relevância socioeconômica dos setores e os riscos que o retorno de cada atividade representa para a saúde. Os próximos 15 dias, inclusive, serão determinantes para testar a segurança da flexibilização e os impactos na saúde da população.

Primeira etapa – A primeira etapa, que começa nesta segunda (1), permite a operação de lojas físicas de material de construção, seguindo novos protocolos de atendimento. Também poderão funcionar, exclusivamente via delivery, as unidades de varejo de bairro e de Centro, assim como shopping centers e o comércio atacadista.

A partir do dia 8 de junho, a construção civil começará o retorno gradual, tanto na Região Metropolitana do Recife quanto no interior: Na RMR, as obras estão liberadas com 50% dos funcionários e no horário das 9h às 18h. Já no interior, a liberação também é de 50%, sem determinação de horário. O comércio atacadista também poderá atuar a partir da próxima semana, mas na RMR só será permitido no horário das 9h às 18h. Novos protocolos do setor deverão ser respeitados.

Dia 15 de junho – No dia 15 de junho, os serviços de atendimento ao público entrarão no circuito de flexibilização. Salões de beleza e serviços de estéticas estarão liberados, mas precisarão atender um cliente por vez, por agendamento, sem fila de espera e com higienização entre um cliente e outro.

Varejo de bairro também poderá funcionar, mas só em lojas de até 200 metros quadrados. Shopping centers, centros comerciais e praça de alimentação poderão adicionar o atendimento via coleta na operação. Vale ressaltar que, na RMR, o horário permitido de coleta será apenas entre 12h e 18h. Treinos de futebol profissional estão liberados.

Todos os setores estarão sujeitos a novos protocolos de segurança, que são baseados em distanciamento social, regras de higiene e monitoramento e comunicação. (confira o cronograma completo ao final do material).

O estudo que determina as etapas de convívio e reabertura das atividades econômicas foi produzido ao longo dos últimos dois meses pelo Comitê Socioeconômico de Enfrentamento ao Coronavírus, do Governo do Estado, em diálogo com as federações de representações empresariais e a Consultoria Deloitte, que utilizou pesquisas de referência mundiais e nacionais.

O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, apresentou os detalhes em coletiva realizada remotamente no Palácio do Campo das Princesas, onde ressaltou que a flexibilização escalonada ocorrerá até o estado chegar ao que se entende por “normalidade controlada”.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Bruno Schwambach, é um cronograma que os indicadores atuais de saúde nos permite planejar e, pela tendência da curva de contaminação, tirar do papel. “É um plano de convivência, que terá monitoramento semana a semana para que possamos restabelecer atividades essenciais para a nossa economia, mas considerando a saúde como prioridade. Entendemos que alguns setores têm relevância alta para a nossa economia e esse indicador foi considerado na estruturação das etapas. Vamos flexibilizar e monitorar. Se as curvas obedecerem o planejado, com estabilização em tendência de queda, a gente valida a semana e avança para a próxima. Tudo vai depender dos números”, detalhou.

O restabelecimento escalonado das atividades econômicas e a circulação de pessoas, pelas próximas semanas, estarão sob avaliação e o cumprimento do cronograma depende do comportamento das curvas de contaminação e de mortes provocadas pelo coronavírus. Atualmente, um grupo formado por agentes da Secretaria de Saúde de Pernambuco, em parceria com o Laboratório de Imunopatologia Keiso Asami (Lika), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), além do Porto Digital, mantém atualizado o mapa do impacto da pandemia em todo o Estado.

Metodologia – A matriz de alerta e riscos de Pernambuco, definida pela Secretaria de Saúde, está atualmente definida em cinco níveis decrescentes, sendo 5 o mais grave (crescimento do ritmo de contágio) e 1 o mais ameno (designado de “novo normal”). Nesta escala, o Nível 4 representa a estabilização do ritmo de contágio, que era o resultado esperado pelo Governo estadual para depois do período de intensificação da quarentena. Em seguida, no Nível 3, está a redução, de fato, do número de casos de contaminação. Por fim, o Nível 2 representa o fim da transmissão comunitária (confira o detalhamento do quadro ao final do release).

Decretos e outras medidas – As medidas adotadas pelo Governo de Pernambuco para combater a disseminação do coronavírus começaram em 14 de março, com decretos restritivos a eventos e áreas de aglomerações, que seguem em vigor para combate eficaz da pandemia. O acompanhamento sobre as medidas e demais determinações relacionadas ao tema podem ser acompanhadas em tempo real pelo site https://www.pecontracoronavirus.pe.gov.br/.

Comentários