Pernambuco segue entre os estados do Nordeste com maior expectativa de vida

PUBLICIDADE

Pernambuco é o segundo estado d o Nordeste com maior índice de expectativa de vida. A estimativa do IBGE é de que o pernambucano viva em média até os 73,9 anos de idade. O estado fica atrás apenas do Rio Grande do Norte, onde os potiguares têm média de vida estipulada em 75,7 anos.

No entanto, dados tão positivos, estão gerando preocupação quando se trata da Previdência. Isso porque quanto maior o tempo de vida de um cidadão e mais prematura for a sua aposentadoria, mais custo ele terá aos cofres previdenciários.

É por essas e outras que, na avaliação do professor da PUC-Rio, economista da Opus Gestão de Recursos, José Márcio Camargo, a reforma da Previdência tem que voltar a ser discutida no Congresso Nacional. Segundo ele, o problema do rombo ainda existe e precisa ser solucionado.

“A reforma da Previdência é imprescindível. Na evolução que estão indo os gastos com Previdência, daqui a 15 anos, todos os gastos do governo Federal vão ser com aposentadorias e pensões. A reforma vai ter que ser feita. E algum momento ela vai ter que ser feita.”

A Previdência no Brasil não exige uma idade mínima para que trabalhadores possam requerer a aposentadoria. Vale o tempo de contribuição junto ao INSS. Isso possibilita que alguns servidores públicos, por exemplo, se aposentem já aos 50 anos, o que onera cada vez mais cedo a folha de pagamento das aposentadorias pagas pela União. E, ao viver mais, muitos terão mais tempo de benefícios do que o que contribuíram.

Rogério Nagamine é coordenador de Previdência do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, o Ipea. Ele entende ser satisfatório o aumento da expectativa de vida e de envelhecimento do brasileiro e dos pernambucanos, desde que isso continue sendo feito de forma planejada.

Recentemente, o governo federal decidiu agir com uma intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, para tentar conter a violência local.

Pela lei, a Constituição não pode ser alterada durante o período da intervenção. Logo, nenhuma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) pode ser aprovada, o que acarretou na suspensão do andamento da reforma da Previdência.

PUBLICIDADE

Comentários