Ensino técnico pode garantir salário maior a jovens pernambucanos, aponta pesquisa

PUBLICIDADE

Já é difícil para o jovem brasileiro escolher qual carreira seguir antes de concluir o Ensino Médio. E com a crise atual que assola o país, as dúvidas se tornam ainda maiores e uma das principais alternativas é escolher uma profissão que pague um bom salário.

Em meio a essa situação, um estudo encomendado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) revelou que, no Nordeste, os estudantes que optam por cursos técnicos ganham cerca de 21% a mais em comparação aos que frequentam o ensino médio tradicional, quando entram no mercado de trabalho. O número supera a média nacional que é de aproximadamente 18%.

Na região, são oferecidas quase 500 mil vagas na educação profissional. 100 mil delas só para Pernambuco. No estado, há cerca de 30 escolas técnicas em funcionamento, com 35 cursos técnicos oferecidos em mais de 20 municípios. As informações são da Secretaria Estadual de Educação. O deputado Federal Guilherme Coelho (PSDB-PE) é um dos apoiadores da educação profissional. Para o parlamentar, o estímulo a esse sistema não interfere nos interesses de quem opta pelo Ensino Superior.

“A minha cidade se chama Petrolina-PE. Nós, no passado, fizemos duas escolas técnicas. Uma técnico-agrícola e outra técnico-industrial. E com isso, muitos e muitos jovens foram formados em matérias profissionalizantes e hoje exercem sua profissão. E outros continuaram e puderam se formar em um curso superior.”

Ainda de acordo com a pesquisa, os benefícios dos cursos técnicos também aumentam com o passar do tempo. Por exemplo, um Técnico em Mineração que começa ganhando um salário de R$ 2.185, pode ganhar quase cinco vezes mais após de 10 anos atuando na área (R$ 10.105).Na avaliação do diretor regional do Senai-PE, Sérgio Gaudêncio, as chances de alguém que faz um curso técnico arranjar emprego também são maiores.

“Além de um melhor salário, ele vai ter a facilidade de emprego. Porque, por ser uma estrutura piramidal, por exemplo, para cada nível superior eu precisaria de três ou quatro pessoas de nível técnico para poder montar uma estrutura de trabalho dentro de uma indústria, eu vou ter uma empregabilidade maior em virtude disso.”

Uma pesquisa feita pela organização Todos Pela Educação revelou também que 76% dos alunos brasileiros que estão cursando o Ensino Médio estão dispostos a trocar um terço das disciplinas comuns por técnicas.

PUBLICIDADE

Comentários