Caruaruense é selecionado para o Parlamento Jovem, da Câmara dos Deputados

O estudante caruaruense Vitor Ditos Oliveira de Santana, de 15 anos, aluno do 2º ano do ensino médio do Colégio Diocesano de Caruaru, foi um dos quatro pernambucanos selecionados para a edição 2017 do Parlamento Jovem, realizado pela Câmara dos Deputados. A proposta do programa é possibilitar aos alunos de ensino médio de escolas públicas e particulares a vivência do processo democrático, através da participação em uma jornada parlamentar na Câmara dos Deputados, em que os estudantes tomam posse e atuam como deputados jovens.
“Eu já tinha visto a experiência bem-sucedida de outros alunos do colégio que passaram e decidi me inscrever no programa, pois o engajamento político do jovem é cada vez mais necessário. Eu quero fazer algo pra mudar meu país”, afirma o estudante, que estará ao lado de outros 77 estudantes brasileiros no Parlamento Jovem, marcado para ser realizado entre os dias 25 e 29 de setembro. O número de deputados jovens por unidade da federação no parlamento segue a mesma proporção do número de deputados federais na Câmara dos Deputados, por isso, em Pernambuco, foram selecionados quatro jovens. Vitor é o único representante de escola particular do grupo, pois os outros três estudantes são do IFPE de Recife e de Afogados da Ingazeira.
O projeto de lei proposto por Vitor Dias e selecionado pelo programa tem relação com o fomento à pesquisa científica do Brasil e determina a criação de incentivo fiscal à doação ou patrocínio de projeto de pesquisa científica, por meio de dedução no imposto de renda de parte do valor transferido aos projetos aprovados pelo Ministério de Ciência, Tecnologia, Informação e Comunicação. A sua ideia vem em importante momento para a área científica brasileira, que tem sofrido com duros cortes no orçamento determinados pelo governo federal.
Na justificativa de sua proposta, Vitor mostra que seu projeto foi fruto de muita propriedade sobre o tema, principalmente porque já vivenciou a importância da pesquisa científica na prática, ao participar do grupo de Iniciação Científica do Colégio Diocesano de Caruaru. Em julho, ele apresentou trabalho científico na 69ª reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), realizada em Belo Horizonte, Minas Gerais. “É inegável a importância da pesquisa científica para a manutenção social e prosperidade econômica de uma nação. Por exemplo, o Japão, que já apresenta um processo antigo de investimentos em inovação científica e tecnológica, teve esse aspecto como grande propulsor de seu complexo industrial e da sua qualidade de vida, com expectativa de vida de até mais de 80 anos. Para o Brasil, a geração de conhecimento representaria maior independência e dinamização socioeconômica e tecnológica. Beneficiar-se-iam, então, população, Estado e os mais diversos setores da economia”, descreve em seu projeto de lei.
“No momento em que o país vive, com a crise na área de ciência e tecnologia, na contramão do mundo globalizado que precisa de tantos investimentos, um projeto como esse reacende a esperança que o investimento em tecnologia deixe o país em sintonia com as mudanças que estão ocorrendo no mundo”, analisa o professor de história Veridiano Santos, coordenador da Área de Ciências Humanas do Colégio Diocesano de Caruaru.
Esta será a terceira vez que o Colégio Diocesano de Caruaru tem alunos selecionados para o Parlamento Jovem. “Os professores do Colégio estão conseguindo formar uma consciência crítica nos nossos alunos, porque os debates para que as leis sejam formadas são grandes e possuem grande relevância. Os temas sugeridos por eles mostram que os alunos estão bastante sintonizados com o que está ocorrendo no Brasil”, afirma o professor de história Mázio Miguel, responsável pela orientação dos alunos do Colégio interessados no Parlamento Jovem.
A primeira edição do programa ocorreu em 2004. De lá para cá, houve a participação de 924 jovens parlamentares estudantes do ensino médio. “Eu acredito que será uma experiência magnífica para engajar os jovens politicamente, pois a gente olha pra política como um monstro, quer cada vez fugir. O parlamento nos deixará com mais garra e vontade de falar. Em momento de crise, o que o país mais precisa é de pessoas que falem o que a gente precisa e busquem soluções para o Brasil”, analisa Vitor Dias, que pretende cursar medicina e se especializar na área de neuropatologia.

Comentários