Pernambuco vai sediar primeira edição da Copa dos Campeões de Vaquejada

PUBLICIDADE

As Vaquejadas modernas se tornaram um negócio, que gera cerca de 700 mil empregos e movimenta mais de R$ 600 milhões ao ano. Pernambuco está entre as principais sedes de provas no Nordeste, região onde a atividade ganhou popularidade na segunda metade do século XX. Em 2016, o Estado recebeu dois campeonatos oficiais da maior raça equina do país: Quarto de Milha. Este ano, a 1ª Copa dos Campeões abre o calendário das competições nacionais da modalidade. O evento ocorre de 8 a 12 de março, no Parque Rufina Borba, em Bezerros, no Agreste.

Como em anos anteriores, o parque também receberá o Congresso & Derby de Vaquejada, já na 8ª edição. As competições serão promovidas em paralelo à 1ª Copa dos Campeões, pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM). Segundo o Departamento de Esportes da ABQM, serão distribuídos R$ 320 mil em prêmios, nos três campeonatos. As inscrições continuam abertas e podem ser realizadas, em qualquer categoria, até o dia 3 de março, através do site da associação: www.abqm.com.br.

Participam da Copa dos Campeões cavalos e cavaleiros habilitados que atingiram pontuações nos eventos oficiais e oficializados da ABQM, realizados no ano passado. “Já o Derby é exclusivo para animais com até 6 anos hípicos e o Congresso para cavalos com no mínimo 3 anos hípicos. Nesta competição, a habilitação não é obrigatória, mas pode proporcionar ao competidor e ao animal a participação na Copa dos Campeões do próximo ano”, explica Fábio Pinto da Costa, presidente da ABQM. A entrada no parque e na arena é gratuita.

Bem-estar animal nas Vaquejadas

De acordo com a Associação Brasileira de Vaquejadas (ABVAQ), a prática se modernizou e passou a se autorregular para preservar a saúde de animais e vaqueiros. A introdução do protetor de cauda é um dos cuidados com os bovinos para evitar danos à sua saúde. “O equipamento é um rabo artificial feito com uma malha de nylon que é fixado na base do rabo do boi e que reveste toda a cauda”, assegura o presidente da ABVAQ, Paulo Fernando Filho (Cuca). O cumprimento do regulamento de Bem-Estar Animal também é fiscalizado pela ABQM.

PUBLICIDADE

Comentários