Pandemia e eleição, ser ou não ser? Eis a questão!

Quero é voto

O Deputado Estadual Delegado Lessa mais uma vez chama à atenção da população caruaruense com sua forma de legislar na Alepe. Para muitos, o político se aproveita de situações desenhadas ou já planejadas, como queiram, para se manifestar e dizer ” olha eu aqui”, em outras palavras, o famoso engenheiro de obras prontas. Em um momento ainda crítico e em plena Pandemia da Covid-19, com tantas restrições e protocolos a serem seguidos, o deputado quer aumentar o número de pessoas em igrejas e templos religiosos, tentando descumprir as normas para cada etapa da convivência com o tal Coronavírus. Se fala em distanciamento de pessoas, evitar aglomerações, higienização a todo momento e uso de máscaras, mas, pelo que percebemos, isso não vale muito pra quem tá em busca do voto, pois o mesmo, é pré-candidato a prefeito de nossa princesinha do agreste. Vale a pena lembrar, que, quanto mais gente reunida, maior o risco de contaminação! Porém, o que vale é a eleição! Se liguem!

Incerteza

Há alguns dias, escrevi um artigo falando do silêncio do deputado estadual José Queiroz (PDT), em relação às eleições deste ano, pois bem, ele até já usou as redes sociais e alguns veículos de comunicação estes dias, para falar sobre sua candidatura a prefeito de Caruaru. Político com vasta experiência no assunto, por ter sido prefeito por quatro vezes da Capital do Forró, em seus discursos, vem deixando dúvidas no ar se vai ser ou não candidato. A Pandemia do Coronavírus o deixou longe de tudo e todos, por ser do grupo de risco de contaminação do vírus, o que o deixaria afastado de sua maneira tradicional de fazer campanha sempre ao lado do povo e este ano, isso não será permitido. Conhecendo o perfil de Queiroz, ele só vai na certeza.

Incógnita

E Tony Gel (MDB), por onde anda? Inelegível, tenta reverter este desgosto na justiça e arregimentar recursos para poder garantir sua representavidade no pleito eleitoral deste ano, seja com o seu próprio nome ou com alguma cria. Apesar de ser um político com uma esfera eleitoral consolidada com mais de 30% do eleitorado, hoje, este quantitativo não o deixaria numa situação confortável, devido a aprovação da prefeita Raquel Lyra e até mesmo por não ter conseguido formar uma boa base em termos de grupos para este ano. O seu partido, está praticamente só. Faltou uma articulação viável né?

 

 

 

Comentários